“Se pregas Jesus, Ele comove os corações duros; se o invocas, alivia das tentações amargas; se o pensas, ilumina o teu coração; se o lês, sacia-te a mente” (Santo Antônio no Sermones Dominicales et Festivi III).

Em 2010, o Papa Emérito Bento XVI dedicou uma de suas catequeses para falar de Santo Antônio de Pádua. Segundo o pontífice, o santo contribuiu de modo significativo para o desenvolvimento da espiritualidade franciscana, com os seus salientes dotes de inteligência, equilíbrio, zelo apostólico e, principalmente, fervor místico.
São tantas as riquezas de ensinamentos espirituais contidas nos “Sermões de Antônio”, que o Venerável Papa Pio XII, em 1946, proclamou Antônio de Pádua, “Doutor da Igreja”, atribuindo-lhe o título de “Doutor Evangélico”, porque desses escritos sobressai o vigor e a beleza do Evangelho; e ainda hoje os podemos ler com grande proveito espiritual, constatou Bento XVI.
Nos textos que diversas fontes apresentam sobre a vida e obra desse homem santo, podemos perceber que seu ministério pastoral foi sobretudo missionário, e que suas pregações foram tão intensas e eficazes que induziram muitos italianos e franceses, que se tinham afastado da Igreja, a reconsiderar a sua decisão. A chave desse discurso eloquente não poderia ser outra senão a intimidade com Jesus, por meio da oração. Em um de seus sermões ele fala da oração como de uma relação de amor, que estimula o homem a dialogar docilmente com o Senhor, criando uma alegria inefável.
Alegria inefável encontrada no Evangelii Gaudium, onde o Papa Francisco exorta a Igreja sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual:

23. A intimidade da Igreja com Jesus é uma intimidade itinerante, e a comunhão reveste essencialmente a forma de comunhão missionária. Fiel ao modelo do Mestre, é vital que hoje a Igreja saia para anunciar o Evangelho a todos, em todos os lugares, em todas as ocasiões, sem demora, sem repugnâncias e sem medo. A alegria do Evangelho é para todo o povo, não se pode excluir ninguém; assim foi anunciada pelo anjo aos pastores de Belém: “Não temais, pois anuncio-vos uma grande alegria, que o será para todo o povo”(Lc 2, 10). O Apocalipse fala de uma Boa Nova de valor eterno para anunciar aos habitantes da terra: a todas as nações, tribos, línguas e povos (Ap 14, 6).

126. Na piedade popular, por ser fruto do Evangelho inculturado, subjaz uma força ativamente evangelizadora que não podemos subestimar: seria ignorar a obra do Espírito Santo. Ao contrário, somos chamados a encorajá-la e fortalecê-la para aprofundar o processo de inculturação, que é uma realidade nunca acabada. As expressões da piedade popular têm muito que nos ensinar e, para quem as sabe ler, são um lugar teológico a que devemos prestar atenção particularmente na hora de pensar a nova evangelização.

Motivados pelas atividades missionárias do Padroeiro e pelas palavras do Papa Francisco, a Comunidade Santo Antônio, que está localizada no Parque das Castanheiras, região central da Paróquia, repensou sua tradicional trezena de devoção para as festividades de 2015.
Confira as novidades! A nova proposta tem a ousadia e a criatividade de uma Igreja em saída tão motivada pelo Papa e reiterada pelo pároco, Padre Anderson.