Toda vez que termina o verão uma grande discussão surge: devemos nos vacinar contra a gripe! Alguns argumentos contrários já são clássicos: “Eu nunca tenho gripe, por que vacinar?”, “Toda vez que vacino, eu fico gripado!”, “O governo indica vacina para os ‘velhos’ porque quer que eles adoeçam!”. Mas, como funciona a vacina?

Vamos tentar explicar com palavras simples.

Quando nascemos somos todos diferentes; o nosso corpo não sabe o que é dele mesmo e o que não é (na medicina usamos SELF e NON SELF). Papai do Céu é esperto e nos programou com um órgão chamado Timo, que serve como um escâner. Todas as nossas proteínas passam pelo Timo, que vai registrando tudo que é nosso. Quando identifica o que é nosso (SELF), ele inativa o glóbulo branco que vai produzir anticorpo contra aquela proteína.

Então, tudo que é NON SELF, ou seja, um vírus, uma bactéria, um transplante de órgãos, vai ser reconhecido pelos glóbulos brancos e estes vão fazer a defesa do corpo, produzindo  anticorpos que ficam com memória. Se acaso uma proteína desse elemento NON SELF voltar a entrar em contato com o corpo, rapidamente se produzem anticorpos e evita-se a infecção. Vamos dar um exemplo bem fácil: se você já teve sarampo, não vai ter mais, mesmo que você cuide de alguém com sarampo.

O princípio da vacina é este: colocar o organismo em contato com a proteína de um vírus ou bactéria e produzir anticorpo, que vai funcionar para toda a vida. Às vezes temos que tomar mais de uma dose porque nem todas as pessoas fazem os anticorpos na primeira.

Há dois tipos de vacina: com vírus atenuado (ou seja, um vírus enfraquecido, mas ainda vivo) – é o caso da vacina do sarampo e da febre amarela (que tanto está nos assustando). Esta vacina não pode ser dada em crianças muito pequenas, em pessoas que têm uma doença que baixa a imunidade e em grávidas. Deve ser avaliado o risco e o benefício em idosos.

O segundo tipo de vacina é com vírus morto ou somente com proteínas do vírus, como a de Hepatite B, da poliomielite e outras. Essas não causam a doença, pois não têm o vírus completo e podem ser aplicadas em praticamente todas as pessoas, mesmo com imunodeficiência.

Por que, então, tenho que tomar vacina de gripe todo ano? Porque o vírus da gripe não é único; ele tem a capacidade de mutação (se transforma muito) e precisamos ser vacinados para os vírus que estão mais frequentes naquele ano.

Algumas pessoas têm medo de vacinar, mas saiba: não vacinar é brincar com a sorte e, quando queremos nos arrepender, pode ser tarde demais.

Deus fez a natureza bonita demais.

Esse texto foi uma contribuição da paroquiana:
Maria da Penha Zago Gomes
Médica e Professora do Departamento de Clinica Médica da Universidade Federal do Espírito Santo


Quer contribuir também?
Mande seu texto ou sugestão de pauta para o e-mail: [email protected]