Conversão de São Paulo

Em 25 de Janeiro celebramos a conversão de São Paulo. Visualizemos a cena: Saulo, no caminhi de Damasco, reunindo uma tropa de soldados, com autorização dos governantes e objetivo de oprimir os cristãos ali instalados, caiu por terra e ouviu uma voz que lhe dizia:”Saulo, Saulo, porque me persegues?” Saulo perguntou: “”Quem és tu, Senhor?” A voz respondeu: “Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Agora levanta-te, entra na cidade, e aí te dirão o que deves fazer” (At 9, 4-6). Assim se deu a mais importante conversão da história do cristianismo.

Saulo, depois chamado de Paulo, nasceu em Tarso e pertencia à família da tribo dos benjamitas. Judeu fervoroso, estudou na famosa Escola de Gamaliel, testemunhou o suplício e morte de Santo Estevão, “Protomartir” (Primeiro Mártir), no início das perseguições, logo após a ressurreição de Jesus. Mas Jesus tinha em seu plano divino algo de muito especial para o então temido “caçador de cristãos” e disse a Ananias: “Esse homem é um instrumento que escolhi para anunciar o meu nome aos pagãos, aos reis e ao povo de Israel. Eu vou mostrar a Saulo o quanto ele deve sofrer por causa do meu nome.” (At 9,15-17).

 

Paulo dominava o aramaico, hebraico, grego e latim, confirmando, assim, a escolha de Jesus. Era um homem culto e de grande retórica, com as melhores características para catequizar e converter hebreus, gregos e romanos. Paulo, chamado “O Apóstolo”, realizou várias viagens, fundou igrejas por onde passou, escreveu cartas a essas igrejas, contidas no Novo Testamento – Romanos, I Coríntios, II Coríntios, Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, I Tessalonicenses, II Tessalonicenses, I Timóteo, II Timóteo, Filêmon, Hebreus. Essas cartas contêm o maior acervo teológico cristão. Por seu ofício apostólico o evangelizador foi várias vezes preso e proferiu e célebre e atual frase a qual devemos imitar e pôr em prática: “Ai de mim se eu não evangelizar.” (1 Cor 9,16). Vendo sua morte se aproximando, ele afirmou: “Combati o bom combate, conclui a minha carreira, guardei a fé. De resto, me está reservada  coroa da justiça, que o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia” (2 Tim 4,7-8). Assim o “apóstolo” Paulo, com essas palavras, dentre tantas e importantes que proferiu, preparou-se para seu martírio e glória. Segundo contam, no mesmo dia da morte de São Pedro, porém em lugares diferentes, Paulo foi decapitado, castigo dado  aos de sua classe social, e seu corpo foi levado por um grupo pela Via Ostense, onde hoje encontra-se seu túmulo, na Basílica de São Paulo Extramuros.

Poderíamos acrescentar às suas palavras, além de tantas, aquelas que ressaltam e exprimem como devemos ser e agir em nosso caminho de evangelização e conversão diária , que o próprio Santo nos legou. Devemos assim, exercitar o verdadeiro testemunho pelo amor (1 Cor 13, 1-8), exemplo, testemunho e prova de conversão que para nós não pode ser uma situação estática, ou seja, estou convertido e pronto! Pelo contrário, conversão é, com efeito, uma situação dinâmica. Devemos praticar a conversão diária, a exemplo de São Paulo, que colocou sua vida a serviço da evangelização dos povos. Roguemos a São Paulo para que, com seu exemplo. sigamos em frente na evangelização e conversão, nossa e de toda a humanidade. São Paulo, rogai por nós!

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Instagram

× Como posso te ajudar?